Essa luva devolveu movimento às mãos de João Carlos Martins

As limitações físicas de um dos maiores pianistas do Brasil inspirou um designer do interior paulista a desenvolver protótipo que está sendo procurado por gente do mundo todo. A invenção pode beneficiar pessoas com outros tipos de limitação

As histórias do maestro e pianista João Carlos Martins e do designer industrial Ubiratan Bizarro Costa se cruzaram de forma inusitada. Ao saber das crescentes limitações físicas do consagrado músico, Ubiratan desenvolveu uma invenção que poderia ajudá-lo a recobrar parcialmente o movimento das mãos. O resultado foi tão acima do esperado que a novidade ganhou alcance internacional. Em entrevista exclusiva ao Dell Technologies Transforma, o designer conta sobre seu trabalho.

Como surgiu a ideia de desenvolver essa luva?

Ubiratan – Conheci João Carlos Martins por causa das apresentações que ele fez em Sumaré-SP, cidade onde tenho escritório. Sabia pouco da história dele até que vi uma reportagem no Fantástico. Nela, ele se “despedia” das mãos porque precisava fazer uma nova cirurgia. Foi aí que decidi que queria ajudar. Não era possível que não houvesse algo que pudesse mudar aquele cenário. No dia seguinte, comecei a desenvolver as luvas. A ideia era criar uma solução simples, mais básica, para ele usar nas horas vagas. Não pensei que ganharia essa dimensão.

LEIA TAMBÉM: Inteligência Artificial transforma depoimentos emocionados em música

Quanto tempo levou o desenvolvimento?

Ubiratan – Comecei em março de 2019 e estou até agora trabalhando nele. Até cheguei a deixar o projeto parado por um tempo, pois não tinha nenhum contato com o maestro e não sabia como entregar. Foi só quando ele voltou à cidade para uma apresentação que vi a oportunidade. Um amigo tinha o telefone de um dos músicos da orquestra, que achou estranho o motivo do contato, mas me ajudou a conhecer João Carlos. Mostrei o protótipo rapidamente ao maestro no camarim e, dias depois, ele me ligou.E o que ele disse?

Ubiratan – Ele me convidou para almoçar na casa dele. Disse que percebeu que minha luva, da maneira que havia sido projetada, não funcionaria. Fiz o protótipo a partir de imagens, não sabia qual era o nível de movimento das mãos do pianista. Durante nosso encontro, João Carlos me mostrou detalhadamente os pontos em que conseguia mexer nas mãos e o que não conseguia. Com essas informações, consegui ajustar o protótipo para o modelo correto e a luva passou a funcionar.

Como funciona a luva?

Ubiratan – Em cima do tecido há um chassi na curvatura da mão, que produzi em uma impressora 3D. Dessa peça saem quatro hastes, uma para cada dedo sem movimento. Elas são de aço inox e têm efeito mola. A solução é semelhante à utilizada em carros de Fórmula 1:  as hastes são como a suspensão de um veículo de corrida, só que ao contrário. João Carlos tem força para fechar os dedos, mas não para abri-los. Logo, as hastes puxam os dedos para fora.

LEIA MAIS: O poder do home office: histórias de quem é mais feliz

As hastes ficam sempre esticadas acima dos dedos, mas se dobram com eles. Quando deixam de receber a força para fecharem, voltam automaticamente para a posição esticada, abrindo os dedos. É isso?

Exatamente. Se a pessoa não tiver força para esticar o dedo, a mola o puxa para cima. É o mesmo princípio de uma suspensão, mas de forma invertida. A haste tem efeito de mola: quando é puxada para baixo, no movimento do fechar das mãos, ela volta para cima.

É possível fazer uma produção em grande escala desta luva?

Ubiratan – Essa parte da história é muito legal. Pessoas do mundo todo, principalmente da França, estão me pedindo a luva. Existem vários outros casos elegíveis a usá-la. Tenho sido procurado por pessoas que tiveram um leve AVC ou desenvolveram distonia focal, uma patologia muscular que costuma afetar os músicos. Neste momento, busco fornecedores para viabilizar a ideia. Tenho um escritório, mas preciso fazer uma parceria com alguma fábrica. Montei um protótipo conceitual, provei que é viável e a ideia se tornou um produto. Agora preciso produzir em série para ajudar outras pessoas.

LEIA MAIS: Empresas lucram mais ao se abrirem para a diversidade

Como essa luva e variações dela podem ajudar músicos, outros profissionais e pessoas comuns a readquirir suas capacidades manuais?

Ubiratan – Ela é uma luva extensora e estica as mãos. No caso de pessoas com distonia focal e algumas que sofreram AVC´s leves, a luva pode ajudar a manter a mão o mais aberta possível. Essa é sua função: estabiliza os dedos e mantém os membros em posição normal. Mas é bom destacar que ela não gera nenhuma força, não tem motores, funciona apenas de forma mecânica. Se a pessoa consegue fazer os movimentos de abrir e fechar das mãos, mas por algum motivo elas ficam fechadas, o produto pode ajudar. Agora, se ela não move mais, não funciona.

Você consegue dizer o quanto percentualmente o movimento das mãos do maestro melhorou com a sua invenção?

Ubiratan – Algo em torno de 40 a 50%, o que é muito para um produto. Ele sentou na minha frente e começou a tocar, não pensei que poderia ser a luva. Para mim, era só um pianista talentoso se apresentando. Foi só depois que ele me falou que há 20 anos não punha alguns daqueles dedos nas teclas que entendi a dimensão do que estava acontecendo.

Como você se sente vendo o seu trabalho com um resultado tão satisfatório?

Ubiratan – É muito bom, esse é o meu propósito. Pode até ser legal ficar famoso por um tempinho, mas o principal objetivo é liberar a luva para todo mundo e ajudar as pessoas que precisam. Essa é a grande satisfação de qualquer design de produto.

LEIA MAIS: Receptividade com funcionários LGBTQI+ faz diferença nas empresas

Ubiratan Bizarro Costa é designer industrial e professor de desenho que divide seu tempo entre tarefas do escritório, criações para clientes, desenvolvimento de soluções e as aulas que ministra em Sumaré, no interior de São Paulo. Ele já desenvolveu exoesqueletos, móveis e itens esportivos.

João Carlos Martins é um pianista que foi impedido de praticar a sua maior paixão ao perder boa parte dos movimentos das mãos — consequência de uma série de acidentes e incidentes na vida fora dos teclados. João Carlos poderia sair da música, mas a música jamais sairia de João Carlos. Assim, ele adaptou seu dom e se tornou um maestro de renome. Em 2019, foi o escolhido para reger a música feita pela Dell Technologies com uso de Inteligência Artificial em comemoração a seus 20 anos de Brasil.