“Foque na sua capacidade de entrega, independente do ambiente ser majoritariamente masculino”

Na Dell Technologies há quase 15 anos, Giovana Mueller é diretora de TI, cargo que dificilmente é ocupado por mulheres. Nesse período, ela passou por muitas transformações na carreira — e a maior delas está acontecendo agora

Estamos em 2019, mas o estereótipo das profissões ainda não acabou. Persiste uma percepção coletiva de que algumas carreiras são mais femininas, e outras, mais masculinas. Mas os recentes movimentos de empoderamento feminino e equidade de gêneros, levaram as empresas a uma reflexão crucial: a de que homens e mulheres são perfeitamente capazes de ocuparem os mesmos cargos. E por uma simples razão: habilidades não estão atreladas a gêneros.

Um indício de que, pouco a pouco, esse novo cenário está se consolidando, é a conquista de espaços profissionais que antes eram restritos aos homens. Um passo à frente dado por mulheres que mostram o real significado da expressão #GirlBoss. Giovana Mueller é uma delas. Há quase 15 anos na Dell Technologies, ela superou rótulos para exercer o cargo de diretora sênior de TI, uma posição de liderança tradicionalmente reservada à ala masculina. Recém-transferida para Austin, nos Estados Unidos, Giovana esteve no Brasil para participar do painel “Women in Technology”, durante o Dell Technologies Forum 2019 em São Paulo no começo de outubro. Entre um compromisso e outro, ela reservou um tempinho para conversar sobre a sua carreira na empresa e a visão que faz da tecnologia.

Dell Technologies Transforma | Você ocupa uma posição de liderança. Qual seu conselho para mulheres que estão no início da carreira?

Giovana Mueller | Meu conselho é: esqueça que o ambiente é masculino e foque em sua capacidade de entrega, independente da área que você atua. Muitas vezes, as próprias mulheres se colocam limitações, pensando que não irão se adaptar, que não dará certo, que as pessoas não irão acreditar nelas… Isso cria insegurança. Tire essas barreiras e foque em sua capacidade. Fiz isso. Nunca parei para pensar se o ambiente era ou não masculino, mas sim em como eu poderia colaborar para entregar o que era necessário.

LEIA MAIS: As melhores cidades do mundo para mulheres empreendedoras

DTT | Você teve colegas transformadores para a sua carreira ao longo dessa jornada?

GM | Tive vários, homens e mulheres. Sempre tento aprender com meus líderes e com as pessoas que trabalham comigo. Achamos que só recebemos conselhos dos nossos superiores, mas os maiores vêm daqueles que trabalham para você. Sempre tentei pegar dicas dos dois lados.

DTT | Para você, o que é transformação?

GM | É mudar resultados enquanto mudamos também o pensamento das pessoas. Na área de tecnologia, a gente fala muito, claro, em transformação. A tecnologia é a forma como a transformação se realiza, mas a maneira que isso acontece depende das pessoas. Esse processo começa por nós, depois vai para as máquinas.

DTT | Você tem quase 15 anos de Dell. Quais as histórias mais impactantes que vivenciou nesse período?

GM |A minha mudança para os Estados Unidos foi gigante. Uma grande transformação na minha vida pessoal e profissional, e um sonho realizado que a Dell me proporcionou — claro que atrelado às minhas entregas. Foi difícil me distanciar do Brasil, mas ao mesmo tempo uma alegria gigante por continuar apoiando a empresa de outro país. Outro momento foi quando nos unimos à EMC, uma mudança cultural enorme que criou oportunidades maravilhosas para todos nós. Foi um marco na empresa que tocou todos os funcionários na Dell.

LEIA MAIS: Faz só 20 anos! 8 tecnologias jovenzinhas que mudaram sua vida

DTT | Como é ser diretora sênior de TI? O que você pode contar sobre sua profissão que desperte o interesse de quem não conhece essa área?

GM | Não sou formada em Ciência da Computação, mas, sim, em Administração. Foi quando entrei em TI que comecei a estudar mais o assunto. Ou seja: você não precisa ser extremamente técnico para exercer a profissão. Existe o conceito que quem trabalha com TI fica só sentado em frente ao computador, e não é assim. Tento incentivar as pessoas que conheço dizendo que, se você tem habilidades organizacionais, de liderança e de processos, poderá ajudar a área a exercer o trabalho da melhor maneira possível. Acho, inclusive, que esse foi meu grande diferencial de carreira. Trabalhei com uma equipe técnica que sabia muito bem o que estava fazendo e dei apoio, ajudando-os a vender produtos e organizar entregas da melhor maneira possível.