CES e a evolução da tecnologia

Realizada desde 1967, a feira que reúne os maiores lançamentos do mundo tech apresentou nada menos do que 20 mil novas soluções na edição 2020, agora em janeiro, em Las Vegas. Mas o que mudou nesses 54 anos de evento? A resposta é simples: tudo!

O mercado de tecnologia vive em constante transformação. Programadores e engenheiros analisam o que o big data revela sobre o comportamento da sociedade para desenvolver novas apostas para o dia a dia. O que é relevante hoje pode não ser daqui a três anos, da mesma forma que as tecnologias do começo dos anos 2000 já estão obsoletas. O futuro da tecnologia é antecipado ainda fresquinho uma vez por ano, em Las Vegas, durante a CES (International Consumer Electronics Show), feira realizada desde 1967 com o propósito de mostrar tudo o que há de mais moderno no mercado de tecnologia voltado ao consumidor final.

Os números do evento impressionam. No ano passado, foram mais de 175 mil visitantes, 4.500 expositores e 1.000 palestrantes. Neste ano, entre os dias 7 e 10 de janeiro, a feira repetiu o público de 2019 e apresentou mais de 20 mil novos produtos e protótipos. Fazer parte desse imenso showroom não significa “apenas” estar na vitrine global da inovação, como também fazer parte da história evolutiva da tecnologia. “Usamos a CES como um grande marco para os principais lançamentos relacionados à computação pessoal”, diz Diego Puerta, vice-presidente para Consumidor Final e Pequenas Empresas da Dell no Brasil.

LEIA MAIS: Como um app pode mudar o trabalho de pessoas com deficiência auditiva

Revisitar a história da CES é fazer uma retrospectiva de como a tecnologia ditou tendências ao longo do tempo, direcionou ou refletiu nossos hábitos e modificou a evolução da própria humanidade. Na primeira edição da feira, em 1967, o videocassete foi apresentado como uma grande novidade, dando mostras da vocação vanguardista da CES – o aparelho ainda levaria mais de uma década para chegar aos domicílios e se tornar sucesso mundial. Em 1981, foi a vez do CD-player dar as caras no evento, e em 1998, as imagens em HDTV – ambos dez anos antes de conquistarem o mercado.

Algumas das invenções anunciadas na CES foram aperfeiçoadas com o passar dos anos e sobreviveram ao tempo, mas a maioria desapareceu. É provável que daqui a poucas décadas, muito do que usamos hoje perca sentido. E muito do que sonhamos hoje se torne realidade. No desenho animado “Jetsons”, sucesso futurista dos anos 60, 70 e 80, os smartphones não passavam de um relógio de pulso que mostrava na tela, em tempo real, a pessoa com quem os personagens falavam. Na época, um gadget com esse poder parecia inalcançável. Por isso, ao olharmos para as tecnologias lançadas na história da CES, a nostalgia deixada pelos aparelhos que marcaram época convive com o sentimento de conquista: os conceitos e as contribuições tecnológicas do passado deixaram legados que o futuro soube se apropriar.

LEIA MAIS: Empresas lucram mais ao se abrirem para a diversidade

Com a Dell não foi diferente. Em 2006, a empresa lançou na CES o Dell’s Mobile Concept PC, um modelo de desktop que fechava como um notebook, com controle remoto e plataforma Duo Core. Em 2009, foi a vez do Adamo, criado para o segmento de notebooks ultrafinos com design contemporâneo. Passados seis anos, em 2015, a marca apresentou seu monitor de tela curva. Essa evolução culminou, na última CES, na demonstração de novos devices poderosos. “O Concept Ori é um tablet dobrável que, fechado, fica do tamanho de um caderno”, conta Diego, vice-presidente da Dell no Brasil. “Também apresentamos o Concept Duet, um laptop de duas telas sem teclado físico, e o Concept UFO, um controlador de videogame compacto feito para encaixar e integrar o celular, transformando-o em um console”, complementa.

Embora esses aparelhos sejam conceituais – “concepts”, como seus próprios nomes dizem –, é muito provável que, com alguns ajustes, logo estejam no mercado. E não meramente porque são novidades, mas porque derivam daquilo que realmente move a tecnologia. Você sabe de onde vêm essas ideias?. “O cliente é sempre uma fonte de inspiração”, conta Diego. Em outras palavras, é o seu, o meu, o nosso comportamento que impulsionará a tecnologia para tornar nossa vida mais fácil, inteligente e agradável.

LEIA MAIS: Inteligência Artificial transforma depoimentos emocionados em música